Marketing de Busca: Existe alternativa ao Google Adwords?

Esta é uma pergunta que eu fiz a mim mesmo depois de perceber que os custos do Adwords estavam saindo do controle, enquanto os resultados me pareciam de modestos para ruins.

Os motores de busca são a coluna principal do marketing digital já faz um tempo. Por mais que surjam opções como os Ads em redes sociais, a mola que move os negócios no âmbito digital é o cliente buscando, encontrando e fazendo a conversão. 

Nós usamos o Adwords para alavancar negócios e também como produto, fazemos campanhas para vários clientes.

Pensando em uma alternativa que não o facebook, onde os anúncios cada dia menos efetivos e mais burocráticos tem espantado agências e clientes, me ocorreu de testar o Bing.

Primeiro vamos aos dados de uso:

1. Google Brasil: 94,3%

2. Google.com: 2%

3. Bing: 1,7%

4. Yahoo! Brasil: 1,1%

5. Ask: 0,5%

Fonte: Olhar Digital 

Apesar da liderança acachapante do Google, a união de Bing e Yahoo para oferecer anúncio poderia ser sedutora, afinal 3% de market share ainda é muita gente. Será?

A experiência não foi tão agradável assim. 

Fiz um pequeno teste de efetividade, um rallye de alguns dias rodando uma mesma campanha no Google Adwords e no Bing para avaliar o comportamento, já que a ferramenta em si é escandalosamente a mesma. A interface do Adwords e do Bing são ambas complicadas, tem os mesmos recursos, a mesma usabilidade fraca. A do Bing é ligeiramente mais moderna e possui uma curiosa ferramenta de importar as campanhas do Adwords.

O resultado foi que o Bing tem apresentou um CPC médio ( custo por clique) mais barato, R$1,19 por clique contra R$1,70 do Adwords.

Quanto ao CTR , click to rate, que é a taxa de cliques x numero de exibições foi 0,33% do Google contra 0,16% do Bing.

Conclusão: Está caro, sabemos, mas o Adwords ainda é mais eficiente na busca por leads.  A baixa taxa de cliques do Bing carrega o carma de, apesar do navegador vir por default nos PCs e Windows Phone, os usuários ainda entram pra trocar de navegador.

Apesar dos resultados patrocinados do Bing serem mais disfarçados de resultados orgânicos do que o Google, as pessoas clicam menos, ou seja, o perfil do usuário do Bing é mais amador, pessoas que usam a busca mais para lazer. Resumindo, no Marketing de busca, o lead possível é de qualidade inferior.

O teste foi muito rápido e não tão controlado à ponto de se tirar conclusões rígidas, foi apenas um tira-teima muito pessoal, mas fica de apoio à decisão para quem estiver querendo navegar outros mares – O Bing ainda não é alternativa ao disputadíssimo AdWords, que apesar da concorrência, ainda conserva uma massa crítica d0 Marketing de busca mais relevante para os clientes.